terça-feira, 18 de março de 2014

Antigos mestres

Por alguma razão obscura, eu pensava em Sebald enquanto lia Antigos mestres, o romance que Thomas Bernhard publicou em 1985. Talvez fosse por conta dessa tática de aprendizado a partir da escuta, que Bernhard executa tão bem em Antigos mestres e que também movimenta toda a construção do Austerlitz de Sebald. Sebald narra a partir daquilo que escuta de Jacques Austerlitz, histórias sobre a potência enganadora do passado, sobre a mobilidade insidiosa da memória - e um pouco disso também está em Antigos mestres, já que Atzbacher narra aquilo que o velho Reger lhe conta (embora haja um sutil deslocamento no final do romance de Bernhard, um sutil deslocamento que revela a presença de uma terceira voz, que abarca tanto a de Atzbacher quanto a de Reger e finaliza o livro, deixando os dois personagens no caminho para o teatro). É claro que para além dessa atmosfera difusa de rememoração do passado e atravessamento de vozes (Austerlitz, Reger), o que poderia realmente aproximar Antigos mestres da obra de Sebald é a obsessão pelo visível, a obsessão pela convivência com a imagem - porque o Reger de Bernhard tem como hábito passar horas a fio olhando o mesmo quadro, o Homem de barba branca, de Tintoretto, e vem fazendo isso há anos, dia sim, dia não (nada mais sebaldiano, portanto, esse pacto obsessivo com a imagem).  
Tintoretto, Homem de barba branca, 1545

2 comentários:

  1. Queria muito ler este livro, mas não está mais disponível pra venda, nem tem na internet.

    ResponderExcluir
  2. Queria muito ler este livro, mas não está mais disponível pra venda, nem tem na internet.

    ResponderExcluir